terça-feira, 10 de abril de 2012

Famintos, animais definham em zoológico catarinense

JEAN-PHILIP STRUCK

ENVIADO ESPECIAL A SALETE (SC)

O rugido insistente de um leão se tornou comum em meio à paisagem de araucárias do interior de Santa Catarina nas últimas semanas.

"É por causa da fome", diz a voluntária Sílvia Pompeu, enquanto joga um pedaço de carne para o animal de aparência esquelética, que devora o alimento em segundos. Macacos apáticos em jaulas imundas observam a cena.

Eles e outras dezenas de bichos são os sobreviventes do zoológico do Cattoni-Tur Hotel, no centro de Salete (a 260 km de Florianópolis).

Segundo o Ibama, o local foi praticamente abandonado pelo dono, Azodir Cattoni, após o órgão interditá-lo, em dezembro. Desde então, os bichos passaram a comer cada vez menos. Tigres que recebiam 14 kg de carne a cada dois dias passaram a ter dois frangos.

A eletricidade foi cortada. E sem as cercas elétricas, uma onça já pulou na jaula dos leões e foi morta. "Todo mundo corre risco de morte", disse a analista ambiental do Ibama Gabriela Breda, que circula armada pelo zoo.

Instalado num antigo seminário, o hotel-zoo foi aberto em 2007 e passou a acumular legalmente enorme quantidade de bichos. Havia mais exemplares de certas espécies do que no zoo paulistano.

"Vinham de apreensões ou foram abandonados por circos", disse Elenice Franco, do Ibama. Segundo o órgão, os recintos são inadequados, e o acúmulo se refletiu no índice de mortalidade, que alcançou 80%. O aceitável seria até 20%.

Dos 1.100 animais que entraram lá, só 214 estavam vivos na interdição, decidida após a fuga da elefante Carla, que saiu em disparada pelas ruas e só foi capturada horas depois -hoje ela vive no Rio.


Fonte: Folha de São Paulo, 10.04.2012
Multas aplicadas pelo Ibama somam R$ 50 mil. Agora, até o hotel está fechado.



O órgão e voluntários intervieram na semana passada. Dezenas de bichos já foram levados a outros zoos, mas cerca de 40, entre macacos e avestruzes, não têm para onde ir.



Voluntários do santuário Rancho dos Gnomos, de SP, foram até os felinos -alguns até rezam para tranquilizá-los. "Esse vai precisar de muitas preces", disse Sandra Calado na terça passada, ao observar um tigre de bengala esquelético, que não resistiu.



Azodir Cattoni não foi localizado. O Ibama diz ter sido informado de que ele está fora do país. Advogados que já o representaram não se manifestaram. No hotel ainda atuam quatro pessoas, entre elas uma irmã e um cunhado, que se recusaram a falar com a Folha.

2 comentários:

  1. Gostaria de saber se posso fazer alguma coisa para ajudar. Ver esses animais, que não pediram para estar ai neste lugar, na situação deplorável que se encontram é muito triste. Posso ajudar? Obrigada. Isa

    ResponderExcluir